Postagens recentes. Confiram!

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Dia do brinquedo


Olá.

Já que é sexta feira, vamos falar um pouco sobre o dia do brinquedo, prática adotada por muitas escolas.

Na sexta feira ou outro dia da semana, as crianças podem trazer seus brinquedos de casa para brincar com os colegas, cada escola tem a sua maneira de trabalhar, algumas deixam todo o período de aula livre para a brincadeira outras reservam apenas um momento.

Na minha opinião deve ser realizada as atividades de rotina, seguir a aula normalmente e deixar apenas 1 ou 2 aulas para que as crianças brinquem, porque o período todo é muito tempo e a brincadeira pode perder a graça e cair na banalização.

É muito importante que nesse momento de brincadeira o professor observe como os alunos estão brincando, como interagem com os colegas, quais são seus brinquedos e brincadeiras preferidas. Dá para avaliar muita coisa com essa observação, se necessário faça registros.

Circule entre os alunos e faça perguntas, peça para que eles expliquem as brincadeiras, como funcionam os brinquedos e brinque um pouco com eles. Aproveite esse momento para fazer intervenções, ensinando que devemos tratar os colegas com respeito, que podemos compartilhar os objetos e brincar junto e etc.

Uma boa prática é a de ilhas ou cantos, gosto de trabalhar dessa forma com crianças do 1º e 2º ano do Ensino Fundamental, mas também funciona super bem com crianças de Educação Infantil.

Separe a sala ou o ambiente onde as crianças vão ficar por cantos, coloque o canto do brinquedo, do desenho, da leitura, dos jogos, ou de acordo com as necessidades da sua turma. Divida a turma em grupos e coloque cada grupo em um canto, deixe-os por alguns minutos e depois revese, o grupo que estava no brinquedo vai para a leitura e assim por diante.

Costumo fazer 5 grupos para uma turma de 30 alunos, faço cantinho da leitura, cantinho do brinquedo, cantinho do desenho, cantinho da massinha e cantinho de jogos. 

Reservo uma aula de 50 minutos para o momento da brincadeira, geralmente a última aula, deixo cada grupo 5 minutos em um canto e depois vou coordenando a troca, passo de grupo em grupo para fazer as intervenções e estimular as crianças. Como trabalho com uma turma de alfabetização gosto de utilizar jogos com letras e palavras.

Essa prática costuma dar muito certo e as crianças gostam, o momento do brincar fica mais dirigido e mais rico, posso fazer observações, avaliar meus alunos e fazer intervenções quando necessário.

Experimente fazer com sua turma, pode ser surpreendente, pode até parecer trabalhoso no início, mas depois o resultado é excelente.

Eu espero que gostem.

Um grande beijo e até mais. 

quinta-feira, 19 de abril de 2018

10 atividades com letras móveis


Olá.

Quem trabalha com alfabetização já sabe que os pequenos precisam de contato constante com letras e muito estímulo para que obtenham sucesso.  Por isso hoje trago como dica o trabalho com letras móveis em sala de aula, pode ser de EVA, de plástico, de madeira ou até mesmo de papel.

O trabalho com esse tipo de material ajuda as crianças na identificação das letras e dá a oportunidade para o aluno testar diversas possibilidades antes de escrever no caderno.

Preparei uma lista com 10 atividades que você pode aplicar utilizando esse material, confiram:

1- Manuseio livre


Para iniciar o trabalho com as letras móveis, reserve uma aula para que os alunos possam manusear as letrinhas livremente, essa etapa é importante para que eles conheçam o material, assim quando propor uma outra atividade eles ficarão menos ansiosos e curiosos.

Apresente o material, diga para que serve e deixem que explorem as letras por algum tempo.

2 - Ditado de letras


Aqui sugiro um ditado de letras, mas pode ser de palavras ou frases, vai de acordo com o nível dos seus alunos.

Ofereça uma quantidade suficiente de letras para as crianças e depois dite alguma letra para que eles separem das demais.

3- Pareamento


Essa atividade é bem interessante, ofereça placas com algumas palavras escrita e peça para que as crianças façam o pareamento das letras utilizando as letras móveis.

4 - Leitura e escrita de listas


Para esta atividade faça uma lista, pode ser de frutas, de nome dos colegas, de brinquedos entre outras possibilidades, depois peça para que as crianças reproduzam a lista utilizando as letras móveis, peça para que eles leiam também.

5 - Escrita em duplas produtivas


Forme duplas onde as crianças estejam com as hipóteses de escrita próxima, depois peça para que eles escrevam algumas palavras, pode ser ditado ou lista.

6- Escrita com letras certas.


Ofereça para os alunos as letras certas para a escrita de determinadas palavras, depois você pode ditar a palavra e a criança terá que ordenar as letras para formar as palavras.

7 - Letra inicial


Prepare algumas fichas com imagens, mostre para as crianças e peça para que elas separem a letra inicial daquela figura, você ainda pode variar esta atividade dando palavras escritas e pedir para que eles completem com a letra inicial.

8 - Escrita de parlendas


Escolha uma parlenda que já tenha trabalhado em sala com os alunos, pode até apresentar um cartaz ou utilizar o texto de memória. Peça para que eles escrevam a parlenda ou parte dela utilizando as letras móveis.


9 - Tabela com banco de palavras


Dê para os alunos fichas com figuras para que eles escrevam o nome das figuras, faça um banco de palavras no rodapé da tabela para que eles possam consultar, caso seus alunos estejam num nível mais avançado você pode retirar o banco de palavras.

10 - Completar palavras


Prepare placas com algumas palavras, onde estejam faltando algumas letras, distribua entre os alunos e peça para que eles completem com as letras móveis.

Todas essas atividades podem ser adaptadas de acordo com a necessidade dos alunos, você pode reservar algum momento da aula para que as crianças trabalhem com as letras móveis e incluir esse momento na sua rotina, tenho certeza de que terá ótimos resultados.

Eu espero que gostem.

Um grande beijo e até mais.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Avaliação bimestral de matemática para 1º ano

Olá.

Hoje venho compartilhar com vocês a minha avaliação bimestral de matemática.

Quem me acompanha sabe que este ano estou trabalhando com uma turma de 1º ano, como já estamos aí na reta final do bimestre, resolvi postar aqui um modelo de avaliação de matemática.

Como sempre falo, pode e deve ser adaptado de acordo com a necessidade da turma.

Confiram.




Essa avaliação foi preparada para uma turma que trabalhou com sequência numérica de 0 a 10, noção de quantidade, formas geométricas, noção de grande e pequeno, noção de dentro e fora, noção de em cima e embaixo e conceito de adição.

Eu espero que gostem.

Um grande beijo e até mais.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Sequência didática de adição para 1º ano



Olá.

Sabemos que trabalhar com sequência didática ajuda na organização das aulas e os alunos podem compreender melhor determinados conteúdos. A sequência didática é uma ótima ferramenta para a sala de aula, pois  pode trazer inúmeros benefícios e não necessita de um produto final.

Hoje trago como sugestão uma sequência didática de adição, que foi trabalhada com uma turma de 1º ano, para apresentar a adição. Você poderá adaptar de acordo com as necessidades da sua turma.

Vamos conferir.


Sequência didática de adição

Objetivo: Trabalhar o conceito de adição.

Duração: 5 aulas 

Público alvo: Turmas de 1º ano.

O ideal é que esse trabalho se inicie a partir de um material concreto. Mostre para os alunos como funciona a soma com a ajuda de objetos, pode ser material dourado, tampinhas, palitos e etc.

Aula 1  

Propor um problema de adição e oferecer material concreto para que as crianças resolvam, durante a aula mostrar para o aluno como se faz a operação.

Aula 2

Nesta aula passe uma série de desafios de adição para que os alunos resolvam utilizando cálculo mental, faça em formato de Quiz e torne a aula divertida.

Aula 3

Nesta etapa da sequência é hora de propor alguns desafios por escrito e pedir que os alunos resolvam utilizando material concreto.

Aula 4 

Agora mostre aos alunos como é o algoritmo da adição, uma forma de fazer isso é utilizando cartazes interativos, onde a participação das crianças é intensificada.

Como eles ainda são pequenos no 1º ano, talvez muitos alunos não consigam abstrair e compreender o algoritmo da adição, mas com certeza essa sequência vai ajudá-los na construção do conceito de adição.

Aula 5 

Essa é a última etapa da nossa sequência didática, aqui é o momento de fazer uma revisão de tudo que foi visto, para isso use um jogo de trilha ou cartas.

É fácil montar uma sequência didática e tornar as aulas mais dinâmicas e interessantes, você pode utilizar essa ferramenta em todas as disciplinas, pode criar sequências longas ou mais curtas.

Eu espero que gostem.

Um grande beijo e até mais.





quarta-feira, 11 de abril de 2018

Avaliação da hipótese de escrita






Olá.

Hoje vamos falar de uma ferramenta muito utilizada pelos profissionais que trabalham com alfabetização, que é a sondagem.

A sondagem é uma atividade realizada para avaliar a hipótese de escrita na qual a criança se encontra.

Como fazer.

Para realizar uma sondagem você deve fazer de forma individual, chamar uma criança de cada vez.

Dê um papel e um lápis para o aluno e peça para que ele escreva algumas palavras.

Você deve ditar 4 palavras do mesmo campo semântico, depois você deve ditar uma frase simples que tenha uma das palavras anteriores. É importante que as palavras sejam ditadas na seguinte ordem:
1º uma polissílaba;
2º uma trissílaba;
3º uma dissílaba;
4º uma monossílaba

E por último a frase contendo uma das palavras do ditado.

Depois peça para que a criança leia e observe como ela faz a leitura, se ela aponta com o dedo, se lê silabando ou se faz uma leitura global.

A leitura deve ser solicitada após cada escrita, sendo assim o professor dita a primeira palavra e pede para o aluno ler, dita a próxima e pede para que o aluno faça a leitura e assim por diante.

A criança pode apresentar as seguintes hipóteses de escrita:

- Pré silábica

Essa hipótese é longa e a criança ainda  não descobriu o que a escrita nota.

Nesse período há um grande trabalho cognitivo.

Algumas crianças ainda não distinguem desenho da escrita.

A criança acha que a escrita deve ser parecida com o objeto (realismo nominal)

- Silábica

Ao ler as palavras pronunciam dividindo-a em sílabas.

Já sabe que a escrita representa o som.

Costuma usar uma letra para cada som.

Nesta fase costumamos analisar dividindo-a em dois sub grupos:

Silábica sem valor sonoro ou quantitativa

A criança coloca uma letra para cada som, mas geralmente as letras usadas não tem a ver com o som das sílabas orais.

Silábica  com valor sonoro ou qualitativa

Nesse caso a criança procura utilizar letras que tenha um som parecido com o da sílaba oral, muitas vezes utilizam vogais.

- Silábica alfabética

Esse é um período de transição da hipótese silábica para a alfabética.

É quando a criança descobre que precisa utilizar mais letras para escrever.

Nesta etapa a criança precisa aprender as consoantes e seus valores sonoros para que possa migrar para a hipótese alfabética.

- Alfabética

Essa se trata da fase final no processo de apropriação do sistema de escrita alfabética, a criança coloca uma letra por fonema, mas ainda comete muitos erros ortográficos.

Após identificar a hipótese de escrita do aluno é possível preparar e aplicar atividades mais adequadas, que ajudem a criança de forma conceitual.

Abaixo segue um modelo de lista para sondagem:


Eu espero que gostem.

Um grande beijo e até mais.